Sessão da CCJ é encerrada após bate boca entre deputados do PT e PSL

Brasil

Confusão começou após deputado Paulo Teixeira (PT) chamar Jair Bolsonaro de ‘genocida’ e ser acusado de ‘vagabundo’ por Carlos Jordy (PSL).

Confusão começou após deputado Paulo Teixeira (PT) chamar Jair Bolsonaro de ‘genocida’ e ser acusado de ‘vagabundo’ por Carlos Jordy (PSL).

Medida inclui 1.495 produtos, incluindo aparelhos celulares, notebooks e máquinas hospitalares e da construção civil.

Uma sessão da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Federal (CCJ) foi encerrada às pressas nesta quarta-feira, 17, após três deputados federais trocarem gritos e xingamentos durante uma discussão envolvendo o presidente Jair Bolsonaro. Tudo começou quando o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) foi se pronunciar sobre a pauta de discussão de propostas da CCJ e alfinetou o deputado Filipe Barros (PSL-PR), que tinha elogiado a trajetória da nova presidente da Comissão, Bia Kicis (PSL-DF) até chegar no cargo atual, afirmando que críticas contra ela não deveriam ser toleradas.

“Sobre o que me antecedeu, ele defende um genocida. Esse presidente é um genocida, porque todos os atos que ele cometeu foi um projeto de matar pessoas e hoje nós estamos chegando a 280 mil pessoas que estão sendo mortas no Brasil. Mortas por atos do presidente da república, porque tem vacina e ele não comprou, tem máscara e ele não adotava a máscaras, todo mundo recomendava que não tivesse aglomerações e ele promovia aglomerações, então ele é um genocida e quem o defende comunga dos seus atos, tem que ser julgado criminalmente”, disse o petista.


Fonte: Rede Jovem Pan