Na Fronteira: Campanha “Maio Laranja” chega à comunidade ribeirinha de Taparabú, em Oiapoque

A Campanha coordenada pelo Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), Maio Laranja – Não deixe quem você ama ser a próxima vítima, que conta com a adesão da Polícia Civil da Fronteira, chegou à comunidade ribeirinha de Taparabú, em Oiapoque, no fim de semana.

A Campanha coordenada pelo Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), Maio Laranja – Não deixe quem você ama ser a próxima vítima, que conta com a adesão da Polícia Civil da Fronteira, chegou à comunidade ribeirinha de Taparabú, em Oiapoque, no fim de semana.

A Campanha coordenada pelo Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), Maio Laranja – Não deixe quem você ama ser a próxima vítima, que conta com a adesão da Polícia Civil da Fronteira, chegou à comunidade ribeirinha de Taparabú, em Oiapoque, no fim de semana. Na comunidade, o delegado de Polícia Civil Charles Correa, acompanhado da equipe do Tribunal de Justiça, conversou com os ribeirinhos e explicou no que consiste a campanha, como eles podem identificar casos de abusos e onde devem denunciar e quais órgãos procurar.

 “Importante a gente conscientizar as pessoas porque caso ocorra este crime hediondo saibam como agir. Precisamos buscar diminuir esses tipos de crimes na fronteira do nosso país”, ressaltou o delegado, falando da necessidade de amplitude da campanha que se estende por toda a fronteira de Oiapoque com a Guiana Francesa.

Desde a última quarta-feira (12), a Polícia Civil e o Conselho Tutelar fazem operação combativa ao abuso e exploração sexual infantojuvenil em todo o município. A ação já prendeu abusadores, fechou boates e retirou das ruas crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. “Nossa atuação na fronteira segue à disposição do Poder Judiciário para juntos buscarmos cada vez mais a diminuição desses crimes tão perversos que na maioria das vezes ocorre no seio familiar. Além de lamentavelmente em Oiapoque, ter muitos casos de exploração e prostituição sexual de adolescentes”, finalizou o delegado Charles Correa.

Fonte: A Gazeta do Amapá