Prefeitura de Macapá conclui estrutura que abriga usina de oxigênio

A edificação de 30 metros quadrados com 3,5 metros de altura foi erguida atrás do Centro Covid no bairro Santa Inês.

A edificação de 30 metros quadrados com 3,5 metros de altura foi erguida atrás do Centro Covid no bairro Santa Inês.

Ascom/Gea

A Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura Urbana (Semob) finalizou nesta segunda-feira (5) as últimas etapas da estrutura que vai abrigar definitivamente a usina de oxigênio de Macapá. A edificação de 30 metros quadrados com 3,5 metros de altura foi erguida atrás do Centro Covid no bairro Santa Inês.


“Concluímos as atribuições de competência da Semob, que foram a construção civil e a instalação da subestação elétrica. Já acionamos a empresa fabricante do equipamento e agora os técnicos estão programando a visita para instalação e funcionamento da usina”, explicou o secretário Otávio Fonseca.


A edificação foi construída com estrutura mista sendo de alvenaria, blocos de concreto e ferro. Foram realizados também os serviços de escavação, regularização do terreno, construção da laje, fundação, vedação da estrutura com concreto, pintura e instalação elétrica. O projeto civil executado, seguiu as especificações técnicas enviadas pelo fabricante do equipamento.


“Escolhemos o sistema estrutural metálico pela urgência de execução do projeto e para atender a demanda do fabricante. Nós tivemos o cuidado de fazer de acordo com o que foi enviado, seguindo as determinações das vedações, das posições dos pontos de ventilação e dos exaustores, tudo para garantir o bom funcionamento da usina”, finalizou o engenheiro civil, José Vitor Borges.


Equipamento
A usina de oxigênio chegou em Macapá no dia 26 de março, mas as peças técnicas para execução do projeto só foram enviadas no dia 27 de março. O equipamento foi doado pelo grupo Itaú.

A usina tem capacidade de abastecer 35 cilindros em 24h, cerca de 30 metros cúbicos por hora. A produção irá atender a demanda de oxigênio medicinal para o Centro Covid Santa Inês e unidades direcionadas ao atendimento de pacientes com o novo coronavírus na rede municipal de Macapá.

Fonte: Ascom/Gea